Archive Anecdotage

45 O Ônibus Mágico

Durante os mêses de Inverno de minha infância era comum visitar o Griffin Park a cada duas semanas para assistir os Bees trabalhando. Os Bees sendo o diminutivo de Brentford (Football Club) e Griffin Park sendo o nome do seu campo. Não que ele - um fã do Glasgow Rangers - fosse um verdadeiro adepto, mas este era o time profissional mais próximo, então meu pai levou eu e meu amigo Barry para assistir aos jogos.

Esperando na parada de ônibus no rigor do Inverno. Esperando...esperando no frio. Esperando pelo ônibus...Esperando. Batendo os pés.

Olhei para meu pai para uma intervenção inspirada, ' Quando o ônibus vai chegar?' Ele olhou pra baixo com alguma benevolência e disse '...se você contar de trás pra frente, partindo de cinco o ônibus vai aparecer.'

Qualquer coisa, qualquer coisa para tirar nossas mentes do frio entorpecente...'cinco, quatro, três - lá estava, aquele sorriso denovo, dois, um e...Maaaaaaaazaaaaaaaa!!!!'

Como mágica, o grande ônibus vermelho apareceu ao virar da esquina da rótula mais próxima. Lá estava ele, sob comando - era um milagre.

Depois de uma certa espera o procedimento foi repetido duas semanas depois e novamente antes do próximo jogo duas semanas depois daquilo.

'Papai, como isto funciona, como pode você fazer o ônibus aparecer daquele jeito?'

O pai respondeu sabiamente 'É uma coisa que você vai entender quando você crescer, filho.'

'Mas pai, eu quero saber agora, eu quero agarrar a idade adulta pelo pescoço e sacudir todos os segredos de seus bolsos...'

'Você terá de esperar, filho.'

E então eu esperei. Eu esperei e esperei, até que um dia eu estava de volta naquela parada de ônibus, embora num dia de semana.

Meu pai havia falecido desde então e eu estava ternamente lembrando os momentos maravilhosos em que nós íamos ao futebol; me sentindo como um dos adultos em todos os aspectos exceto um.

E então...eu entendi. Eu finalmente entendi sobre o que o pai estava falando quando ele disse que eu saberia o segredo do ônibus quando eu crescesse.

Não era uma questão de sabedoria ou a sagacidade que vem com a idade...era pura mecânica. Agora eu havia crescido - e superado - a altura do meu pai, Eu simplesmente podia ver o topo do ônibus de dois andares sobre os telhados quando ele se aproximava da esquina, por onde eu agora conseguia precisamente prever sua aparição para qualquer um abaixo da altura de 1,70m.


© Ian Gillan 2009

Voltar para:
back to the archive anecdotage