Questions - you got 'em; answers - we got 'em

85 Lugar perfeito para estranhos, enigmas alcoólicos na estrada, espiritualidade e sabedoria, observações capilares, conversas inspiradoras com o meu café da manhã, ceci n'est pas une lettre d'amour

De: Alexandre Fraguglia

Oi, Gillan ... Espero que você e sua família estejam muito bem .... eu consegui vê-lo no teatro Olympia em São Paulo, Brasil ... lá por 92, 93? Eu acho.

Em primeiro lugar ... Eu nunca vi um show do Deep Purple como uma banda inteira, tem chance de vir a Liverpool este ano para um show?

Lembro quando eu era um adolescente em 84 em São Paulo e assisti a um vídeo de Perfect Strangers. é algo que eu nunca vou esquecer. Queria saber onde este vídeo foi feito .... País de Gales, Inglaterra? Na casa de alguém ou num estúdio de música?

Obrigado e que Deus o abençoe.

Alex Fraguglia

 

Olá, Alex,

Obrigado por sua carta.

O vídeo de Perfect Strangers foi feito na cidade de Stowe, em Vermont, EUA, e seus arredores. Tínhamos alugado uma casa lá pra poder gravar nosso álbum de reunião com privacidade.

O trecho mais notável do video, pra mim, é aquele do balão de ar quente. Acho que o piloto pode ter ficado nervoso ou era recém-formado ... ou possivelmente estava bêbado feito um gambá ... mas com certeza foi uma aterrissagem acidentada no final do meu segmento. A cesta foi arrastada pelo chão por uma distância considerável antes de conseguirmos escapar.

Logo depois foi o Roger Glover. Eu cruzei meus dedos enquanto ele subia lá pro alto. Em vão, enfim, porque poucos minutos depois o balão bateu contra uma árvore. Por sorte Roger saiu bem e ainda está entre nós ... mas ele tomou uma pancada na cabeça e nunca foi o mesmo desde então.

Cheers, ig


De: Sassan Emam

Oi, Ian,

Sou um iraniano-canadense, morando em Toronto, e tive a alegria de assistir três shows seus até agora.

Alguns dados que julguei que você poderia achar interessantes:

Antes de mais nada, o DP tem uma enorme base de fãs no Irã, acredite ou não! Eu sei te dizer quantas pessoas eu conheço que amam a música do Purple e admiram muito o DP. Conheci suas músicas há mais de 30 anos, quando eu era criança, através do meu tio - que era e ainda é um grande fã do DP. Nem preciso dizer que fiquei viciado! Meu amor pela sua música nunca diminuiu ao longo dos anos.

Em segundo lugar, quando eu vi você no Phoenix, no verão de 2006, sei lá se você se lembra, mas disseram pra plateia que por algum motivo o alvará da arena pra vender bebidas tinha sido suspenso e não podiam servir álcool! Um amigo meu que não conhecia sua música e tinha vindo junto, já que estávamos indo para uma festa de aniversário depois do show, me perguntou se eu ainda queria assistir. Minha resposta foi "Tá louco?” Claro que eu queria ver o show. Com ou sem cerveja, seria uma alegria assistir.

No fundo, eu também estava curioso para ver como você lidaria com essa lei seca. Ouvi alguns na platéia dizendo que Ian devia, pelo menos, pedir desculpas pelo que tinha acontecido. Pensei comigo mesmo: "desculpas"? , Por que o IG deveria se desculpar? Não é culpa dele que o povo de Phoenix não conseguiu renovar o alvará a tempo! Esse povo não pensa? Disse ao meu amigo que, se eu fosse IG, nem faria menção à situação, e foi exatamente isso que você fez! Mas juro que te vi escapar pros bastidores um par de vezes em que parecia que você discretamente tentava dar uma bicada na sua cervejinha proibida! Ainda assim, acho que você lidou muito bem com isso.

Não preciso nem dizer que seu desempenho foi excelente como sempre.

Agora aqui está a minha pergunta:

Se o Irã for libertado do seu atual governo gorilocrático num futuro próximo, você pensaria em fazer um show lá?

Cheers,

Sassan

 

Olá, Sassan,

é claro que eu adoraria cantar no Irã, mas acho que seria difícil ser convidado no momento. Tenho recebido notícias de muitos iranianos e curto muito a base de fãs que temos lá e também entre os expatriados como você.

Quanto à lei seca, não é divertido como alguns fanáticos odeiam álcool e nudez mas adoram o jogo e a violência?.

(Direto da DF5 - "... Em Oklahoma, proibiram o filme "O Tambor", alegando ser pornográfico, assim como nos anos 80 um dos estados chamados Carolina proibiu “Splash- Uma Sereia em Minha Vida" (acuma?), mas você ainda pode alugar “O Massacre da Serra Elétrica”. é horrível ... “)

Este assunto surgiu algumas vezes, mas muito recentemente, num cassino no Canadá, descobrimos que o lugar estava seco. Sempre acontece de alguns de nós tomarmos alguma coisinha antes e mesmo durante o show, mas naquele palácio da ganância isso era estrita e severamente proibido. Coube a mim fazer uma observação para o público, algo tipo “... ouvi dizer que tem um problema de bebida aqui, porque não há nada para beber. O promotor pode não ter ouvido falar, mas num trabalho anterior eu fiz o papel de Jesus Cristo. Foi lá que eu aprendi um macete para transformar água em álcool puro. Então, eu levanto esta garrafa de Evian e em verdade vos digo... Vira, vira, vira, virou!! (Ou algo assim - que poderia ter sido "ide e multiplicai-vos" não lembro). Para poucos aplausos irônicos; a maioria das pessoas não sabia do que eu estava falando.

Cheers, ig


De: Bob Edwards

Oi Ian. Acabo de ouvir uma entrevista onde você fala muito sobre a espiritualidade. Eu fui wiccano e cristão evangélico. No momento eu busco me relacionar com um Deus de amor. Vejo a pessoa de Jesus Cristo como o amor encarnado. Ao mesmo tempo, no entanto, eu percebo que muitas das instituições construídas em torno de seu nome não refletem seu espírito.

Encontrei um livro que achei realmente muito interessante. Chama-se "O Fim da Religião", de Bruxy Cavey. Para ser honesto, ele chamou minha atenção numa livraria depois que fiz uma oração fazendo muitas dúvidas a Deus sobre a igreja. Venho descobrindo que explorar uma relação espiritual com Deus, fora das opressivas instituições religiosas, é realmente incrível. Este é o link do livro: http://www.theendofreligion.org/. Talvez você possa achar refrescante, e talvez inspirador, já que parece que você está escrevendo um livro sobre algo assim.

Muito obrigado por compartilhar seu dom musical com todos nós, e eu desejo-lhe tudo de bom.

Bob E.

 

Hello Bob,

Obrigado por suas amáveis ​​palavras e comentários refletidos; desejo-lhe sorte em sua jornada de descoberta. Venho trilhando um caminho diferente, não guiado pelos antigos profetas, mas espero que todos cheguemos a conclusões parecidas.

Deus é um mestre de muitas línguas, adaptável a todas as situações e um símbolo de reverência para todos, mesmo os ateus - que tendem a rejeitar o dogma da religião, juntamente com seus profetas e oficiantes, ao invés de espiritualidade em si. Em todas as religiões, assim como na vida civil, há bons e maus seguidores. Há ministros beligerantes e pacíficos. Você pode encontrar ateus com um forte código de ética pessoal e outros que são parasitas amorais - tem de todos os tipos. Alguns adoradores temem seu Deus, e outros o vêem como uma presença benevolente. Cada vez menos de nós vêem Deus como um criador do universo; esse conceito começou a perder terreno quando descobrimos que o nosso planeta não era plano, com o céu "lá em cima" e o inferno “lá embaixo”.

Ele deve estar frustrado pelo abuso do seu nome em todas as línguas, já que cada igreja reivindica representar o único Deus verdadeiro, o que leva à confusão de Sua causa em serviço próprio. Vou dispensar a questão de gênero agora, se você não se importa, porque ela é muito desajeitada para caber nas palavras se eu fosse escrever ele, ela ou aquilo o tempo todo. De fato, a Mãe Natureza é a manifestação mais facilmente compreendida que se poderia desejar desse conceito (deus), mas vamos ficar aqui para sempre se eu não seguir em frente.

Porque Deus não é homem nem mulher, né? Deus é você, eu e todos os que vieram antes (e depois, se não bobearmos), individual e coletivamente, apenas esperando a coesão.

Como eu disse antes para ilustrar a natureza paroquial e facciosa das crenças religiosas antigas ... "Se eu tivesse nascido em Meca, é muito improvável que eu tivesse me tornado católico". Não confundamos a nossa espiritualidade com as ferozes ou benignas disciplinas da religião, onde a obediência impensada leva à fé cega e mantém a estagnação no desenvolvimento holístico da humanidade: Isso é contra todas as forças da natureza.

O desenvolvimento espiritual tem importância vital, porque sem ele temos muito pouca esperança de sobrevivência. Eu já rabisquei algumas reflexões sobre nossas opções - a transmutação, por exemplo, que é um pouco como ir ao céu, mas sem a necessária aprovação das autoridades religiosas - em artigos anteriores aqui no Caramba, caso queira procurar. Mas parece óbvio que ele será grande desafio, a menos que comecemos a pensar e praticar agora - o tempo parece certo, o solo é fértil.

é claro que essa ideia - e qualquer outra que eu receberia de mente aberta - é um anátema para os controladores militares das religiões mais extremas, e para os guardiões bovinos das fés mais suave que apenas recentemente conseguiram admitir que poderia haver elementos de metáfora em partes do "Bom Livro". A demonização do pensamento alternativo é mais velha do que a Inquisição Espanhola ou que a dissolução dos monastérios. Bruxas e hereges ainda são postos à espada preventivamente antes que qualquer a passiva comece a ter idéias. E tudo isso por causa do último capítulo perdido do livro de Darwin que, se não me engano, teria postulado ... "a força motriz da humanidade, pós-sobrevivência, é a supremacia".

Eles não querem mais a sua terra ou os seus filhos. é pela sua alma viva que os curandeiros estão brigando em nome de seus deuses tribais. Todos nós temos algo de valor, e devemos usar sabiamente.

Cheers, ig


De: Jane (de Oz)

Olá, Ian,

Tendo observado (muito) você, ainda que à distância, não pude deixar de notar que a sua presença (aura - ao menos no palco), parece ter mudado na mesma época em que você cortou seus belos cachos.

Pergunta: como alguém que tem indiscutivelmente uma das melhores cabeleiras no ramo (e conseguiu usá-la para seu máximo proveito no palco, exacerbando seu charme), a falta do dito cabelo afetam a forma como você se sente/se apresenta no palco, ou você de repente se tornou consciente da progressão do tempo e sentiu a necessidade de parecer mais distinto / bem comportado por conta da sua idade? Você notou que sua presença de palco mudou desde então?

Independentemente da resposta, eu continuo fascinada por você e sou uma grande fã (mesmo com saudades daquele lindo cabelo - pronto, falei)

Jane de Oz

 

Olá, Jane,

Obrigado por sua carta.

Na verdade eu cortei meu cabelo regularmente ao longo dos anos.

Mas eu tenho uma espécie de desconexão capilar desde a escola, onde eu apanhava por causa dos meus cachos desobedientes. A primeira vez em que senti minha melena tocar minhas costas nuas foi num verão, quando eu estava a cavalo, mas me deu uma sensação de liberdade animal; algo primitivo foi desencadeado.

Quando ficava chato - acontecia a cada poucos anos, quando ele entrava na cerveja que eu bebia e na minha máscara de mergulho - eu cortava tudo e começava de novo.

Nunca fui excessivamente cuidadoso com minha aparência, então eu nunca prestei muita atenção a ela até que começaram a me chamar de 'Nariz', porque a minha tromba era a única coisa ligada àminha cara que era realmente visível através das minhas cortinas.

Mas você está certa, de alguma maneira; alguns anos atrás, meu cabelo ficava permanentemente amarrado para trás por conveniência. Em algumas pessoas, tudo bem; Jon Lord, por exemplo, fica mais ilustre nesse estilo, mas rabo de cavalo cinza não é para mim.

Aí, cortei - e cá estamos nós.

Quanto à mudança de personalidade, tenho certeza que você está certa - eu saí do esconderijo e adorei.

Cheers, ig


De: Oleg do Website Lentachel.ru

Prezado Ian!

Talvez seja uma pergunta estúpida, talvez não ... Qual é a sua inspiração? De onde ela vem? Você vai caminhar no parque com seu cachorro e espera? Ou você está tomando seu café da manhã na cozinha e aí... SPEED KING? Como?

Saudações da Rússia, Chelyabinsk, nós amamos você.

Oleg

 

Olá, Oleg,

Lembro-me de Jon Lord ficar surpreso quando ele me ouviu conversando com o meu café da manhã, não quando estava comendo, porque me ensinaram a não falar com a boca cheia, mas quando eu o estava cozinhando; os ingredientes, provavelmente, precisavam de incentivo naquela manhã.

Quando eu levava meu cachorro pra passear - na verdade, ela me levava pra passear - na floresta de cinzas na costa oeste de Dorset / leste de Devon , eu raramente chegava em casa sem alguma inspiração; a experiência foi espiritualmente edificante. Muitas canções e artigos foram escritos depois dessas aventuras no topo da falésia. Por sinal, mas sem nenhum significado especial, devo mencionar esta observação ... já devo ter falado antes, quando ninguém estava escutando, mas agora você está me ouvindo.. De vez em quando eu encontrava um andarilho vindo no sentido oposto, o que nos trazia - eu e meu cachorro ou ela e seu humano - de volta à realidade. Era fácil saber a diferença entre as pessoas do campo e os moradores da cidade. O povo rural sempre dizia bom dia e, normalmente, parava pra conversar sobre o tempo ou o cachorro ou qualquer coisa e nada, só pra reconhecer a existência uns dos outros.

No entanto, eu podia notar uma área metropolitana de longe; assim que chegávamos perto, ele colocava a cabeça para baixo e evitava contato com os olhos até que tivéssemos passado - a menos que fosse um metropolitano alfa, é claro, porque aí a nossa existência passaria - olhos adiante - despercebida. é bastante compreensível. Esse tipo não pode dizer bom dia a todo estranho que passa numa rua movimentada; isso os deixaria doidos (e renderia um filme maravilhosamente surreal, se for pensar no assunto), mas mostra como é difícil mudar padrões de comportamento rapidamente. Estas pequenas explosões de realidade são muito importantes, especialmente quando você sabe que na verdade não é durante o seu devaneio que elas tomam forma, mas quando você volta para casa e pega o seu lápis e papel.

Inspiração é pôr pra dentro, expressão é pôr pra fora. é um pouco como respirar.

Cheers, ig


De: Petra

Caro sr. Gillan,

Tenho a impressão que você é ser humano bem-humorado, equilibrado e feliz, que pode suportar o seguinte:

Duas semanas atrás, um dos meus irmãos apareceu, me pedindo pra clicar no vídeo de Highway Star - ao vivo na Dinamarca, 1972, na internet. Ele queria ver um certo guitarrista, já que ele mesmo toca guitarra. Enfim. De repente, meu alter ego, que decidiu ficar nos 19 anos há 30 anos, me chutou o estômago.

- Olha esse cantor, que gato!

é o Ian Gillan, sim, muito charmoso.

- Charmoso? Eu saltaria sobre ele agora mesmo!

Calma aí. Comporte-se!

- Meu Deus, olha como ele se move. Sua voz me faz tremer. E esse cabelo lindo.

E as pontas queimadas?

- Oh, cale a boca! Eu estou me apaixonando por esse cara. Ele é tão bonito, alto. Olha esse sorriso, essas sobrancelhas, como ele pega o microfone. Olha isto: no final de "Lucille", ele está soprando o cabelo para fora do seu rosto, se tocando. Voluptuoso.

Pare de babar!

- De jeito nenhum! Eu podia me esfregar toda nele. Vou escrever uma carta de amor pra ele.

Não se atreva. Isso é ridículo. Quer pagar mico, é?

- Tarde demais. Já escrevi um e-mail para ele.

Isto é horrível. Ele tem 65 anos agora. Tá, ele ainda é charmoso... Mas, você acha que ele está interessado nesse tipo de e-mails?

- Eu tinha que dizer.

Você não sabia que ele só responde perguntas em seu site?

- Tanto faz se a minha carta nunca aparecer no site, e: eu fiz uma pergunta no meu e-mail.

QUê???

- Quando ele tocava "Lazy" na Dinamarca em 1972, bem no começo da música, alguém chamou seu nome. Duas vezes! De um lugar acima do palco. Ele subiu e voltou um pouco depois. Preciso saber quem era e por quê. Certamente era uma linda garota escandinava, que lhe deu seu número de telefone.

E daí? Você é ciumenta? Foi há 39 anos. Ele não deve mais nem lembrar.

Esquece. Isso é história. Você é obsessiva.

- Talvez você esteja certa. Mas você não pode me impedir de sonhar acordada com ele. Não vai prejudicar ninguém.

Eu certamente não podia impedir. Se você curte, enfim. Vá em frente.

Então, é isso. Ela continua emergindo do meu subconsciente desde então de vez em quando. E algum dia o meu superego vai prendê-la novamente.

Tudo de bom para você e as pessoas que você ama.

Abraço,

Petra

 

Olá, Petra,

eu não posso comentar esse assunto, então vou deixar o meu alter ego se comunicar diretamente com o seu ... diz aí, René ...

Aaaaaah minha querida,

Sim, eu me lembro desse encontro.

Nós nos conhecemos durante um longo solo de guitarra. Ela estava em transe febril, dançando a nossa música, vestindo nada além de um vestido transparente de cor verde brilhante e fúcsia, num camarote em uma casa de espetáculos da Dinamarca, lá por 1972.

Não houve tempo para conversar.

Cheers, René Magritte (Ceci n'est pas une lettre d'amour)

Seja o que você é, digo a mim mesmo

E mim mesmo me diz que não podemos ser mais ninguém ... ig

Voltar para:
Back to the Q&a index