The complete lyrics - all in good time

60 Junkyard Blues (O Blues do Terreno Baldio)

(Airey, Gillan, Glover, Morse, Paice)
Do disco Rapture of the Deep do Deep Purple

Roger Glover foi quem bolou o título. Existe algo intrigante nos terrenos baldios. Perto do velho estádio de White City, no oeste de Londres, havia um despejo onde eu passei várias noites me abrigando em carros abandonados, quando perdia o último trem ou ficava sem dinheiro e energia. Ainda fico fascinado com as coisas abandonadas organizadas em grupos que podem apodrecer e soltar seus gases ou encontrar outro dono útil.

O Blues do Terreno Baldio

(Airey, Gillan, Glover, Morse, Paice)

Relacionamentos rompidos
Guitarras detonadas
Fazendo uma última apresentação
No meio de um monte de carros velhos
Espinhos e ervas daninhas
Florescendo entre
Filas de garrafas vazias
E bebuns vagantes

O blues do terreno baldio me soa familiar
Nunca estou sozinho
Sempre lembro de casa

Um de uma dúzia
Coberto de manchas
Embolorado e fedido
Foi tudo o que sobrou
Máquinas canibalizadas
Ossos misteriosos
Conteúdos indesejáveis
De casas anônimas

Esse blues do terreno baldio me soa familiar
Me leve de volta
Sempre lembro de casa

Cachorro velho e sarnento
Escarafunchando a poeira
Uma Mercedes queimada
Sucumbindo à ferrugem
Todas essas coisas
Já serviram pra alguma coisa
Mas aqui estão agora
Servindo pra nada

O blues do terreno baldio me soa familiar
Nunca estou sozinho
Sempre lembro de casa

 

Junkyard Blues

(Airey, Gillan, Glover, Morse, Paice)

Broken down relations
Beaten up guitars
Making one last appearance
In a heap of old cars
Brambles and weeds
Flourishing amongst
Lines of empty bottles
And rambling drunks

Junkyard blues sound familiar
I'm never alone
Always remind me of home

One of a dozen
Covered with stains
Blistered and stinking
Was all that remained
Cannibalised machines
Mysterious bones
Unwanted contents
Of anonymous homes

Those junkyard blues sound familiar
Take me back
Always remind me of home

Mangy old dog
Scratching in the dust
Burned out Mercedes
Surrendering to rust
All this stuff
Was good for something
But here it is now
Good for nothing

Junkyard blues sound familiar
I'm never alone
Always remind me of home

Voltar para:
back to the Wordography index